segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Ocupações Indígenas na Baía de Guanabara - Primeiros Ocupantes



Ocupações Indígenas na Baía de Guanabara - Primeiros Ocupantes
Guilherme Peres
Pesquisador e membro do IPAHB

Os rios que formam a grande bacia hidrográfica da Baixada Fluminense nascem em sua maioria nos contrafortes da Serra do Mar e do Gericinó.

Nas partes superiores, brotam em intensos declives torrentes, alguns encachoeirados como o Sarapuí, avolumando-se aos poucos no encontro com outros cursos, buscando os leitos definitivos ao receber seus afluentes e coleando por entre morrotes e brejais, em busca da Baía.

Região ideal para a intensa ocupação pré-histórica desse litoral, continha em suas águas abundância de mamíferos marinhos (golfinhos e baleias), peixes e moluscos, bases de subsistência dos primeiros ocupantes.

Iniciados entre 8.000 e 7.000 anos por pescadores/coletores, os ocupantes deste recôncavo formaram a origem de vários aldeamentos indígenas encontrados pelos navegadores, quando aqui aportaram no início do século XVI.

Segundo Elmo S. Amador, “a indústria lítica era pouco expressiva, constituída, principalmente, por artefatos picoteados e semipolidos, lâminas de machado, quebra-coquinhos e percurtores, com raros artefatos sobre lascas, ossos e conchas”.

As populações que habitavam essas áreas costeiras eram agrupadas em macrobandos, provavelmente sedentários ou semi-sedentários.

O último estágio dessa ocupação varia entre 2.500 e 1.500 anos, representado por grupos que faziam seus assentamentos sobre restingas, dunas litorâneas ou próximas às praias abertas, tendo por economia de subsistência a pesca, a caça e a coleta de moluscos. Praticavam também a coleta de sementes e alguma agricultura.

O sepultamento, feito em posição fetal, ocupava pequenas covas cônicas.

Entretanto, segundo o prof. Ondemar Dias, pouco sabemos a respeito desses pioneiros.

“No interior fluminense só muito recentemente foram descobertos vestígios dos seus acampamentos. Pontas de flecha de quartzo hialino e leitoso, lascas e raspadores do mesmo material atestam esta antiga presença”.

No litoral são encontrados vestígios maiores, constituídos pelos restos do que foram os grandes sambaquis, na sua esmagadora maioria destruídos para fabricação de cal, desde os tempos coloniais. Poucos são os que restam, fornecendo dados elucidativos, através da pesquisa arqueológica.

Estes sambaquis podem ser agrupados em dois tipos. Os mais antigos, anteriores às modificações climatológicas, do “ótimo climático”, com idade em redor dos 6.000 anos e os recentes, posteriores a estas alterações. No primeiro caso, a quantidade de conchas é maior; no segundo caso, espessas camadas úmidas demonstram maior diversificação econômica.

Grupos ceramistas iniciaram esta fase cultural, na Era Cristã, e dispersos em grupos fabricaram vasos e recipientes de determinados padrões que tipificam os vários estágios culturais dessa ocupação.

“Até o momento sabe-se que as primeiras comunidades cerâmicas estão filiadas à Tradição denominada Una, com três fases culturais componentes (Una, Mucuri e Piunhi). Através de datações obtidas pelo método do C-14, sabe-se que já ao redor do século VI da nossa Era, grupos tribais Mucuri se fixaram no baixo curso do rio Paraíba. Provavelmente, pela mesma época, mais para o litoral, outros grupos da fase Una ocupavam, inclusive, locais anteriormente habitados pelos Itaipu. Em S. Pedro da Aldeia foi possível localizar-se sítio com esta superposição”.

Em 1º de janeiro de 1502, três naus cruzaram a barra do Rio de Janeiro, comandadas por Gonçalo Coelho e, pilotando a nau capitânea, Américo Vespúcio. Uma exuberante floresta tropical emoldurava a costa, vales, montanhas. Fontes da mais pura água doce jorravam em cascatas das colinas, abraçando neste celeiro centenas de tribos indígenas que salpicavam em torno da Baía.

O encontro inicial com os Tupinambás foi amistoso. Abasteceram-se de víveres deixando “algumas galinhas e degredados”, seguindo viagem para o Sul.

Até a transformação do Brasil em Capitanias Hereditárias, os navegadores franceses foram os mais freqüentes em visitar as costas do Rio de Janeiro, não estabelecendo feitorias, como os portugueses, mas se infiltrando entre as aldeias indígenas e praticando o escambo, provavelmente partindo daí as relações de amizade que fizeram com que grande parte dessas tribos viesse a defendê-los.

“Os povos que aqui viviam transmitiam o que sabiam, apenas através da palavra falada, própria da memória oral. Não deixaram, portanto, documentos escritos de identidade. Não tiveram oportunidade de se apresentar. Poucas vezes disseram como se autodenominavam. Quando o fizeram, nem sempre foram compreendidos”.

Os primeiros colonizadores portugueses, franceses e espanhóis tentaram, em alguns casos, identificar o nome próprio de cada povo, criando, às vezes, uma grande confusão, porque quase sempre desconheciam as línguas faladas pelos índios.

Escrevendo o mesmo nome com grafias diferentes, os navegantes escritores, que visitaram este povo, deixaram anotados para a história registros confusos quanto ao grau de parentesco das diversas línguas que provinham do mesmo tronco. Podemos afirmar, entretanto, que no território do Rio de Janeiro, seus primitivos habitantes falavam vinte idiomas diferentes, pertencentes a quatro famílias lingüísticas.

“A família Tupi, ou Tupi-guarani, compreendia mais de uma centena de línguas, faladas em áreas que pertencem atualmente ao Brasil e a alguns países hispano-americanos. Pelo menos cinco delas eram faladas no Rio de Janeiro, pelos seguintes povos:
- Tupinambá: habitantes das zonas de lagunas e enseadas do litoral, da Guanabara e de Cabo Frio até Angra dos Reis;
- Temiminó ou Maracajá: localizados também na Baía de Guanabara;
- Tupinikin ou Margaya: no litoral norte fluminense e Espírito Santo;
- Ararape ou Arary: no vale do Paraíba do Sul”.

De todas as línguas faladas no extenso território da costa Atlântica, o Tupinambá era o que reunia o maior número lingüístico, sendo o mais assimilado por franceses e portugueses. 46% dos nomes populares de peixes e 35% dos nomes de aves são oriundos só do Tupinambá.

“Da mesma origem são os nomes de muitos lugares e até mesmo de bairros atuais do Rio de Janeiro, que conservaram as denominações das antigas aldeias como Guanabara (baía semelhante a um rio), Niterói (baía sinuosa), Iguaçu (rio grande), Paraíba (rio extenso de difícil navegação), Pavuna (lugar atoladiço), Irajá (cuia de mel), Icaraí (água clara) e tantos outros como Ipanema, Sepetiba, Mangaratiba, Acari, Itaguaí etc.”

Essas palavras indígenas, integradas no nosso vocabulário do dia-a-dia, são uma contribuição valiosa à memória de nosso passado. Memória viva de um povo que teve a sua cultura esmagada sob o jugo do colonizador, por ter preferido a morte no campo de batalha, a viver como escravo e trair sua gente.
ALDEAMENTOS



“No momento da chegada dos primeiros europeus, os índios viviam em aldeias ou tabas espalhadas por todo o território do Rio de Janeiro. A aldeia era a maior unidade política das sociedades indígenas. Cada uma delas tinha autonomia e reconhecia como autoridade maior o seu chefe, tuxaua, morubixaba ou cacique”.

Para algumas áreas, as informações da época são mais precisas. O cosmógrafo francês André Thevet, por exemplo, elaborou um mapa da Ilha do Governador, onde aparecem, só aí, cerca de 36 tabas. Era nesta ilha que ficavam as aldeias Paranapucuhy, Pindó-usú, Koruké, Pirayijú, Coranguá. Outro cronista francês, Jean de Léry, num levantamento parcial, encontrou em torno da Baía de Guanabara um total de 32 aldeias tupis entre 1550 e 1560. Depois, novas listas, também parciais, foram feitas por missionários e cronistas portugueses, acrescentando outras povoações.

O primeiro nome da lista de Léry é a aldeia Kariók ou Karióg, situada no sopé do morro da Glória, na foz do rio Carioca, o rio sagrado dos Tamoios que tinha, além dessa, uma segunda foz, mais caudalosa, na praia do Flamengo, onde se localizava outra aldeia, chamada Urusúmirim ou Abruçumirim.

Próximo à Lagoa Rodrigo de Freitas existia uma aldeia chamada Kariane. Distribuídas pelos morros de Santa Tereza e Santo Antônio, as aldeias de Katiné, Kiriri, Anaraú e Purumuré. Na região ocupada hoje pelos subúrbios ao longo da Central do Brasil existiam dezenas de aldeias, entre as quais Pavuna, Irajá Catiú, Savigahy, Taly.

Eram centenas e centenas de tabas ao longo de todo o território, habitadas por um número incalculável de índios. Segundo os relatos da época, a população de cada aldeia tupinambá variava entre 500 e 3.000 índios.
COMO VIVIAM




Habitantes do litoral, a família Tupi contribuiu categoricamente na formação étnica do povo Fluminense. Nas crônicas de alguns viajantes, vamos encontrar a descrição de sua vida diária, agricultura, navegação, utensílios, a maneira de caçar, pescar, rituais etc.

Essas aldeias, em geral, estavam localizadas em terras férteis, perto da floresta e do rio, para facilitar a agricultura, a caça e a pesca. Cultivavam, em grandes roças comunitárias, mandioca, milho, abóbora, feijão, amendoim, tabaco, pimenta e muitas árvores frutíferas. Plantavam e teciam o algodão, com o qual faziam suas redes de dormir. Fabricavam cestas de cipó, panelas e vasos de barro, machados de pedra, facas de casca de tartaruga, agulhas de espinhas de peixe, e muitos instrumentos musicais de sopro e percussão.

Segundo os depoimentos dos missionários, eram povos alegres, apaixonados pela música e pela dança. Pintavam o corpo e enfeitavam-se com colares feitos de conchas marinhas, penas coloridas de aves e outros produtos.

“Todas essas atividades só podiam ser realizadas porque os povos Tupis dominavam um vasto campo de conhecimentos. Os antigos Tupinambás, por exemplo, tinham noções de astronomia e podiam prever chuvas e as grandes marés, observando as estrelas, a lua e o sol. Na área da ecologia, conheciam as relações entre os seres vivos e o meio ambiente, os hábitos dos animais, os locais que freqüentavam, as trilhas que percorriam e a época de amadurecimento dos frutos que lhes serviam de alimento. Acumularam saberes sobre a propriedade medicinal dos vegetais”

3 comentários:

  1. Gostaria de ter alguma pesquisa sobre tribos indígenas que viveram em Itaipuaçú/Maricá Rio de janeiro,não consigo encontrar!!!
    Obrigado.

    ResponderExcluir